×

Mensagem

Failed loading XML...

Prosseguiu esta sexta-feira a edição de 2018 do NOS Alive, dia em que os cabeça-de-cartaz foram os Queens of the Stone Age, a banda californiana liderada por Josh Homme que concentrou atenções no Passeio Marítimo de Algés. Antes, porém, foram os The National quem garantiu os maiores aplausos, isto já depois do Palco NOS ter sido ocupado, Kaleo, Black Rebel Motorcycle Club e Blossoms, estes últimos que foram chamados ao palco principal do festival depois da impossibilidade de por ali passarem os The Kooks.

E apesar de termos procurado dar um pouco de atenção a tudo o que foi acontecendo no Passeio Marítimo de Algés, é claro que algumas bandas chamaram mais a atenção da reportagem do canal de Cultura do portal LusoNotícias, nomeadamente, e no que diz respeito ao Palco NOS, os The National, banda norte-americana liderada pelo guitarrista e teclista Aaron Dessner, mas também, e como não poderia deixar de ser, os Queens of The Stone Age, nesta noite promovidos a Kings do Alive.

Os Blossoms foram promovidos para o palco NOS depois de confirmada a ausência dos The Kooks

Sobre os The National, esta banda tocou esta sexta-feira pela 15ª vez em Portugal, facto pelo qual poderemos dizer que já se sentem “em casa”. Considerados já uma banda de culto, são já recebidos pelo público de forma entusiasta, com os seus fãs ávidos deste som de rock alternativo.

Confiantes e seguros os The National misturaram no alinhamento escolhido para o Palco NOS as suas mais recentes músicas com outras mais antigas. Pudemos assim escutar temas como "Sleep Well Beast", “Bloodbuzz Ohio”, “Carin at the Liquor Store”, “Balladry”, “Day i die”, “Mr. November”, “Terrible Love” ou “About Today”, todos eles trazidos ao Passeio Marítimo de Algés pela voz melancólica de Matt Berninger acompanhada da grande performance de toda uma banda já acarinhada pelo público português em qualquer palco por onde passe.

A propósito dos The National, há que dar conta que são conhecidos pela sua criação e interpretação musical única, contando já com sete álbuns de estúdio editados. O novo registo de originais foi produzido pelo compositor, guitarrista e teclista da banda Aaron Dessner, e co-produzido pelo vocalista Matt Berninger e pelo guitarrista Bryce Dessner, eles que foram esta banda claramente presentes no coração dos portugueses.

A banda The National esteve em destaque no derradeiro dia do NOS Alive

As Rainhas da Idade da Pedra viraram Reis da Idade do Alive

O nome forte deste segundo dia do NOS Alive foi naturalmente o dos Queens of The Stone Age, sem dúvida a banda mais aguardada nesta noite de sexta-feira 13, banda que trouxe ao Palco NOS um alinhamento com músicas como “Feet Don't Fail Me”, “The Way You Used to Do”, “A Song for the Deaf”, “Smooth Sailing”, “The Evil Has Landed”, “In the Fade” ou ainda “You Think I Ain't Worth a Dollar, but I Feel Like a Millionaire”, mas também “No One Knows”, “I Sat by the Ocean”, “Burn the Witch”, “My God Is the Sun”, “If I Had a Tail”, “Domesticated Animals”, “Make It Wit Chu”, “Little Sister”, “Go With the Flow” e “A Song for the Dead”.

Notoriamente, o público aguardou ferverosamente a chegada dos Queen of the Stone Age que, com poucos minutos de atraso, marcou presença no principal palco no NOS Alive para ali permitir uma actuação de fazer “tremer” o chão. De tal forma assim foi que, logo na segunda música, Josh Homme deu a palavra de ordem neste NOS Alive — let’s dance? — à qual os festivaleiros responderam afirmativamente, aquecendo a noite deste Verão que Por Portugal vai decorrendo algo tímido no que às temperaturas diz respeito.

“Make it Wit Chu” e “Little Sister” — dedicada “às senhoras que estão aí em baixo” — foram os momentos mais altos do concerto de uma banda que deu conta do sentimento nutrido pelo público português: "Adoramo-vos", disse várias vezes o vocalista... e nós também adoramos os Queen Of Stone Age, a banda de Josh Homme que conta hoje com uma carreira de mais de vinte anos e colaborações com alguns dos mais cobiçados nomes pesados do rock como Dave Grohl, Mark Lanegan, Alex Turner, entre outros.

Queens of the Stone Age foram os cabeça-de-cartaz para o segundo dia do festival no Passeio Marítimo de Algés

Rag 'N' Bone Man brilhou no Palco Sagres

Sendo certo que o NOS Alive, como qualquer outro dos muitos Festivais de Varão que vão ocorrendo de norte a sul de Portugal, vai muito para além do que se passa no palco principal do evento, neste caso do Palco NOS, não podemos deixar de dar conta aqui de outra actuação, neste caso no Palco Sagres, que ocorreu quase em horário simultâneo ao dos Queens of Stone Age. Em primeira mão, que o mesmo é dizer pela primeira vez em Portugal, Rag ‘N’ Bone Man, cantor e compositor inglês que assinou uma actuação memorável.

Apenas com o primeiro álbum, Rag ‘N’ Bone Man já chegou a Disco de Ouro em vários países, conta com dois Brit Awards 2017, nas categorias “British Breakthrough Act” e “Choice Award”, e encontra-se ainda nomeado para dois prémios nos MTV European Music Awards, nas secções “Best New Artist” e “Best Push Artist”. Os primeiros lançamentos do cantor seguiram um registo mais acústico, mas ao longo dos anos evoluiu em direcção a um som mais electrónico, com batimentos de hip-hop, soul e blues.

Após um início de carreira com um registo mais acústico, a evolução tem sido feita através de um som mais electrónico, com batimentos de hip-hop, soul e blues, sendo hoje considerado uma das grandes promessas da sua geração.

A actuação de Rag 'N' Bone Man no palco Sagres mostrou que “há mais vida” para além do palco principal 

E se falamos em promessa, esta foi claramente cumprida nesta edição do NOS Alive, já que o concerto de Rag ‘N’ Bone Man, provou estarmos perante um “grande” artista! Acompanhado pela sua banda, com uma voz feminina bem poderosa no coro, incendiou o Palco Sagres perante um auditório completamente cheio, e isto mesmo sabendo-se que estava a dividir o horário com o palco NOS e os Queen of Stone Age.

Emotivo, o artista não se conteve e agradeceu sucessivamente ao seu público, que por certo ficou ainda mais fã depois deste concerto, ávido por que Rag ‘N’ Bone Man possa regressar em breve. Nós estaremos lá, definitivamente!

reportagem: Ana Cristina Augusto e Jorge Reis
fotos: JCMyro e NOS Alive

Pin It