A menos de uma semana daquela que poderá ser a primeira manifestação dos “coletes amarelos” agendada para Portugal, convocada através das redes sociais para a próxima sexta-feira, dia 21, ficou claro este sábado em Paris que este movimento está a perder força no país em que deu os primeiros passos, convicção que fica depois de mais um sábado, o quinto consecutivo, em que se registaram incidentes na capital francesa, e nomeadamente na zona dos Campos Elísios, mas claramente menos intensos do que foram os dos últimos fins-de-semana na “cidade luz”.

Dos relatos chegados desde Paris, foram este sábado menos de três mil os “coletes amarelos” que se reuniram em Paris, num total de 66 mil em toda a França (há uma semana tinham sido contabilizados 126 mil manifestantes), um dia em que foram registadas 63 detenções, um número afinal bem inferior à informação oficial relativa à passada semana quando terão sido detidos 475 indivíduos.

Refira-se que os apelos para a não-adesão às manifestações para este sábado multiplicaram-se não só na classe política, mas também entre os “coletes amarelos” moderados, um pedido justificado após o atentado de Estrasburgo, ocorrido na terça-feira à noite no mercado de Natal da cidade, que fez quatro mortos e 12 feridos. Os protestos ainda assim verificados acabaram por ser pautados quase sempre pela forma pacífica como foram feitos, embora aqui e ali tenha havido uma outra carga policial quando foi necessário impedir situações de maior violência logo à partida, com as forças policiais a avançar com algumas cargas, utilizando gás lacrimogéneo e balas de borracha.

Ainda assim, e para além alguns confrontos esporádicos entre os “coletes amarelos” e as forças policiais registados nos Campos Elísios, em Paris, houve também distúrbios no sudoeste do país, em Toulouse e Bordéus, onde diversos projéteis foram disparados sobre as forças policiais, que ripostaram com canhões de água e granadas de gás lacrimogéneo.

Refira-se que locais icónicos de Paris, como a Torre Eiffel e os museus do Louvre, de Orsay e o Grand Palais, fechados no sábado passado, permaneceram hoje abertos, tal como as grandes superfícies, a dez dias do Natal. Para manter esta situação bem mais tranquila foram mobilizados cerca de 69.000 membros das forças policiais em todo o país, menos 20 mil do que na semana passada. Em Paris esteve em funções um dispositivo composto por oito mil agentes policiais e 14 veículos blindados.

Um episódio curioso deste quinto sábado de protestos dos “coletes amarelos” em Paris resultou do aparecimento na avenida dos Campos Elísios de cinco mulheres que, adoptando uma imagem bem peculiar, de seios nus pintados em prata e capuzes vermelhos, personificaram a imagem de “Marianne”, o símbolo nacional da República Francesa, juntando-se desse modo aos protestos mas de uma forma pacífica, colocando-se em frente às forças policiais em silêncio, limitando-se a olhar os policiais olhos nos olhos em posição desafiadora mas sem qualquer provocação.

fotos: reprodução ©Twitter

 

 

Pin It