ricardinho portugal futsal lgCaiu com estrondo o sonho lusitano de conquistar o Campeonato do Mundo de Futsal da Colômbia. A “Equipa das Quinas” sofreu um resultado bastante expressivo (5-2) aos pés da Argentina e falhou o acesso, que seria inédito, à final do Mundial da modalidade, que será disputada entre a seleção das “Pampas” e a Rússia.

Numa partida que teve início sob um ambiente bastante “quente” – a Argentina cometeu três faltas em apenas dois minutos de jogo – as duas equipas mostravam algum receio em arriscar chegar junto da baliza adversária, razão pela qual as oportunidades iam sendo poucas, mas a “Albiceleste” acabaria por inaugurar o marcador na primeira grande ocasião de que dispôs. Numa jogada de contra-ataque, Borruto fez a bola passar por cima de Bebé e, já com o guarda-redes português pelo caminho, atirou de cabeça a contar pela primeira vez no segundo jogo das meias-finais do Mundial’2016.

Portugal não pareceu ter sido muito afetado pelo golo, já que soube reagir e reaproximar-se das redes à guarda de Sarmiento – que, diga-se, assinou uma excelente exibição, tendo sido um dos jogadores argentinos mais preponderantes na quadra – tendo inclusive chegado ao golo poucos minutos depois, por intermédio de Ré. O jogador do Benfica apareceu solto de marcação ao segundo poste e deu o melhor seguimento possível ao passe rasteiro do seu companheiro de equipa Bruno Coelho.

Com o marcador novamente igualado, os pupilos de Jorge Braz tinham, agora, a oportunidade de concretizar a “cambalhota” no resultado, mas não contavam com o excessivo pragmatismo dos atletas argentinos, que marcaram três golos de rajada, em pouco mais de um minuto. Em muito pouco tempo, os jogadores orientados por Diego Giostozzi tinham construído uma vantagem de três golos, a partir da qual poderiam gerir tranquilamente o rumo dos acontecimentos. E tudo começou num pontapé-de-canto a favor da armada lusa, que acabou com Stazzone a fazer balançar as redes da baliza contrária. Pouco depois, Alamiro Vaporaki emendava com o peito um remate de longe do seu colega Cuzzolino, e, finalmente, era Alan Brandi, antigo jogador “encarnado”, a fazer o gosto ao pé.

4-1 era um resultado arrasador para as aspirações de Portugal neste Campeonato do Mundo, mas nem por isso os atletas lusos se renderam. A “Turma das Quinas” continuava a tentar chegar a um novo golo, que lhe permitisse reduzir tão pesada desvantagem, e, a seis minutos do intervalo, acabaria por falhá-lo escandalosamente numa jogada em que atirou à baliza argentina por quatro vezes – uma delas ao poste, por Cardinal – mas acabou mesmo por não marcar.

No reatamento, Portugal mostrou vontade de inverter o rumo dos acontecimentos, mas a bola não entrava; ou ia mal direcionada, ou voltava a esbarrar nos postes, ou era Sarmiento quem a defendia. De uma maneira ou de outra, a Seleção Nacional parecia não ter argumentos para levar de vencida a equipa da Argentina, e nem mesmo a magia de Ricardinho – que esteve longe do nível a que nos habituou, inclusive no presente Mundial – foi suficiente para fazer continuar a sonhar o povo português.

Pelo contrário, seria a Argentina a voltar a marcar. Cuzzolino era, desta feita, quem fazia o golo, num remate enrolado fora da grande área lusa. Até ao final, e já com a equipa portuguesa a jogar em 5x4, com o chamado guarda-redes avançado, houve ainda tempo para o golo de Tiago Brito, que fixou o resultado final em 5-2, favorável à Argentina.

Agora, resta a Portugal lutar pelo terceiro lugar, num jogo agendado para as 18h do próximo sábado, frente ao sensacional Irão, que eliminou o Brasil nos oitavos de final da prova. Se conseguir, iguala o seu melhor registo de sempre em Mundiais da FIFA: em 2000, Portugal ficou com o bronze no Campeonato do Mundo organizado pela Guatemala, depois de bater a Rússia por 4-2.

O jogo da final, entre Argentina e Rússia, disputa-se no mesmo dia, às 20h30.

texto: Gonçalo Santos

Pin It