Naquele que acabou por ser o jogo mais complicado para Portugal nesta fase de apuramento para o Europeu de Futebol de 2024, Portugal garantiu o apuramento ao vencer a Eslováquia, no Estádio do Dragão, por 3-2, com golos para a Turma das Quinas de Gonçalo Ramos, que faturou o primeiro,  e Cristiano Ronaldo com um 'bis' num jogo que terminou com uma vitória tangencial mas merecida.

Cristiano Ronaldo bisou e soma já 127 golos com a camisola da Seleção Nacional, continuando também por isso a ser um jogador particularmente influente para a Turma das Quinas, ele que à partida para este jogo foi homenageado pela Federação Portuguesa de Futebol pelos 200 jogados pela Seleção (frente à Eslováquia realizou o jogo 202 pela Nossa Seleção) e que poderá ser no final da presente temporada futebolística o jogador mais velho presente no Euro'2024 a realizar na Alemanha, porventura apenas superado na idade por Pepe, o centro do FC Porto que actualmente se encontra lesionado.

Quanto a este jogo, e depois de um primeiro tempo em que os jogadores lusos, com Cristiano Ronaldo como capitão, poderiam tem construído uma vitória robusta, tantas foram as oportunidades que construíram, acabaram por complicar no segundo tempo, também muito por força da chuva inclemente que caiu na segunda metade da partida, o que acabou por prejudicar a qualidade do futebol praticado. Portugal garantiu a qualificação com a sétima vitória no sétimo jogo, marcou já 27 golos e pela primeira vez sofreu golos nesta campanha, e acaba por garantir o seu objectivo quando tem ainda três jogos para cumprir neste apuramento para a fase final do Euro'2024.

Portugal Eslovaquia 01

Portugal Eslovaquia 04

Com Cristiano Ronaldo e Gonçalo Ramos como os homens mais adiantados na Seleção de Portugal, aparecendo Rafael Leão e Bernardo Silva nos corredores laterais, com Bruno Fernandes a surgir como maestro no meio campo e João Palhinha como o médio mais recuado, o esquema táctico de 4x4x2 era completado com a linha defensiva formada por Diogo Dalot e João Cancelo nas alas e ainda Antórnio Silva e Rúben Dias como centrais à frente de Diogo Costa. Fora deste onze titular ficava desde logo João Félix, mas também Otávio, Diogo Jota, Vitinha, Gonçalo Inácio ou o jovem João Neves, que espreitava neste jogo a sua primeira internacionalização pela Seleção de Portugal o que não viria a acontecer.

Do lado da Eslováquia, para os registos estatísticos e cumprindo a curiosidade dos mais interessados,  o “onze” visitante, formado por jogadores na sua grande maioria desconhecidos para os adeptos que encheram as bancadas do Estádio do Dragão, surgiu em campo com Dúbravka na baliza, uma linha de quatro defesas formada por Pekarík, Vavro, Skriniar e Hancko três médios — Kucka, Lobotka e Duda — e três homens mais adiantados no ataque — Schranz, Bozeník e Mak — num 4x3x3 que rapidamente se transformava num 4x5x1 quando era Portugal a ter a bola.

Portugal Eslovaquia 05

Portugal Eslovaquia 07

Com Bruno Fernandes como o pêndulo do jogo, ele que não marcou qualquer golo mas que foi ainda assim o melhor elemento em campo, assinando duas assistências e uma exibição sempre acertada dentro das quatro linhas, Portugal teve um primeiro tempo claramente superior, caindo na qualidade do futebol praticado na etapa complementar, tudo isto num jogo em que, curiosamente, o primeiro momento em que o golo esteve à beira de aparecer no Estádio do Dragão aconteceu ao minuto 15', quando nada o fazia prever, e logo para a Eslováquia, num lance de contra-ataque em que conseguiu mesmo colocar a bola na trave da baliza à guarda de Diogo Costa, um susto para a turma das Quinas que estava a dominar por completo mas em que poderia, ainda assim, ter sofrido ali o primeiro golo do jogo. A propósito deste lance, tudo resultou de um cruzamento de um elemento da Eslováquia, António Silva tentou o corte e valeu uma defesa por instinto de Diogo Costa que enviou a bola para a trave da sua baliza.

Portugal estava porém a dominar e não admirou a ninguém que dois minutos depois daquele susto tenha chegado ao golo, ao minuto 17', por Gonçalo Ramos, na melhor resposta a um cruzamento de Bruno Fernandes para a zona da marca da grande penalidade. Apareceu por aí o avançado do Paris Saint-Germain a cabecear de cima para baixo e Portugal festejava o primeiro golo do jogo, abrindo caminho para a desejada confirmação da qualificação lusa para o Europeu.

A vencer por 1-0, Portugal recebia no Estádio do Dragão um elemento que viria a prejudicar particularmente o futebol praticado pela Turma das Quinas: a chuva. O jogo perdia velocidade, passava a ser mais complicado o futebol apoiado desde trás para o conjunto luso, com este consciente de que a água acumulada poderia em qualquer altura travar a bola sobre o relvado e causar um lance mais perigoso para a baliza à guarda de Diogo Costa. Ainda assim, sobre o minuto 29', uma grande penalidade cometida sobre Vavro que cortou com o braço um cruzamento de Gonçalo Ramos, permitiu a Cristiano Ronaldo fazer o 2-0 na partida e o seu primeiro neste jogo, levando a nossa Seleção para os balneários ao intervalo com uma vantagem que poderia por esta altura ser bem mais dilatada.

Portugal Eslovaquia 09

Portugal Eslovaquia 10

Para o segundo tempo, com a muita chuva que continuou a cair, Portugal não conseguiu manter a qualidade do seu futebol, perante um adversário que passou a jogar com uma primeira linha muito subida no terreno, pressionando alto e impedindo que a Turma das Quinas conseguisse sair em velocidade a partir do seu meio-campo. Aliás, na fase inicial do segundo tempo a Eslováquia conseguiu mesmo disputar a bola no meio-campo defensivo de Portugal com Cristiano Ronaldo e seus pares a não conseguirem sequer levar a bola até ao meio-campo contrário.

A turma visitante operou duas alterações ao intervalo, com saída do médio Kucka e do extremo Mak, dando os seus lugares a Bénes e Suslov. Já do lado de Portugal, o selecionador Roberto Martinez foi bem mais lento a reagir, operando as primeiras mudanças apenas sobre o minuto 65', e por esta altura apenas com a entrada de João Félix para o lugar de Rafael Leão. O certo é que esta mudança não terá sido suficiente para melhorar a produtividade da Seleção de Portugal, que por esta altura estava claramente em queda, e ao minuto 68' Portugal sofreu mesmo o primeiro golo nesta fase de qualificação, num remate de David Hancko em que a bola ainda tocou na canela de António Silva, mudando a trajectória e com isso traindo Diogo Costa.

Portugal Eslovaquia 11

Portugal Eslovaquia 12

A Eslováquia conseguiu assim o seu primeiro golo no jogo, numa altura em que Portugal estava menos coeso, e com terá acreditado a formação visitante que era possível chegar ao empate. Só que, com João Félix a imprimir mais velocidade na saída de bola para o ataque, a Turma das Quinas chegou mesmo ao terceiro golo, por Cristiano Ronaldo, na resposta a um cruzamento de Bruno Fernandes, um golo particularmente importante já que a Eslováquia estava por esta altura a acreditar que poderia dar continuidade ao golo de Hancko e com isso chegar ao empate no relvado do Dragão.

Ainda assim, a subida de produção da seleção eslovaca voltou mesmo a dar frutos, e ao minuto 80' um remate de longe desferido por Lobotka levou a bola ao ângulo da baliza à guarda de Diogo Costa, sem possibilidade de defesa para este. Foi assim construído o segundo golo da Eslováquia, frente a uma turma lusa que sofria assim o segundo nesta fase de qualificação numa partida que se complicou na fase final.

Depois de casa roubada trancas à porta, e Roberto Martinez resolveu então mexer de facto na Turma das Quinas, chamando a jogo Otávio, Rúben Neves e Diogo Jota, para as saídas de Palhinha, Bernardo Silva e Diogo Ramos, isto sobre o minuto 86', quando à Seleção de Portugal bastava segurar a vantagem mínima para garantir a qualificação desde já e ainda com três jogos por realizar.

Portugal Eslovaquia 16

Portugal Eslovaquia 18

Até ao final do jogo e em vantagem no marcador, Portugal pôde voltar a ocupar o meio-campo contrário, voltaram a surgir as oportunidades para novos golos dos jogadores às ordens de Roberto Martinez e o marcador só não voltou a sofrer alterações porque o guarda-redes Dúbravka assinou mais algumas defesas de grande nível, duas das quais no mesmo lance a impedir o golo primeiro a Bruno Fernandes e depois a Diogo Jota.

O jogo terminou pouco depois com o árbitro a dar o apito final, deixando para os portugueses a possibilidade de festejar o apuramento após sete vitórias em sete jogos com 27 golos marcados e dois golos sofridos. A meta, agora, e apesar de haver ainda mais três jogos para disputar antes do Europeu, é já permitir o sonho de uma conquista do Europeu de 2024, um sonho que Bernardo Silva assumiu no final da partida em declarações à reportagem da RTP. Já Roberto Martinez, com os pés mais assentes na terra, não quis contrariar Bernardo Silva limitando-se ainda assim a admitir que “precisamos de sonhos”.

Portugal joga agora já na próxima segunda-feira, na cidade de Zenica, na Bósnia, em mais um jogo desta fase de qualificação para a fase final do Euro'2024 que para a Turma das Quinas está já resolvida.

JR/LusoMotores
pub
ESC Online111
Pin It