IuriMedeirosUm golo de Iuri Medeiros permitiu à Selecção Sub-21 de Portugal garantir um empate na Holanda perante a sua congénere local em jogo de preparação para o Europeu de 2017 deste escalão, competição para a qual a equipa nacional lusa já está qualificada, conseguindo os pupilos de Rui Jorge manter uma prestação ímpar numa campanha em que Portugal ainda não perdeu qualquer jogo.

Desta vez, em terras holandesas, o técnico Rui Jorge, responsável por este escalão, operou algumas alterações no seu "onze" comparativamente com o que apresentara frente à República Checa na passada sexta-feira, acabando por provar ter qualidade nos recursos ao seu dispor para um grupo alargado capaz de permitir bons resultados apesar das alterações. Para além de trocar o guarda-redes — Bruno Varela cedeu hoje o seu lugar a Joel Pereira — Rui Jorge apostou ainda em Ruben Semedo, Iuri Medeiros, Diogo Jota e Gonçalo Guedes, deixando no banco Tobias Figueiredo, Bruma, Podence e Carlos Mané, isto depois destes elementos terem estado em particular evidência frente à República Checa.

O "onze" português perante a Holanda surgiu assim com Joel Pereira entre os postes, "guardado" por um quarteto defensivo formado por Fernando Fonseca, Edgar Ié, Ruben Semedo e Pedro Rebocho, surgindo depois uma linha média composta por Ruben Neves, Bruno Fernandes e João Carvalho no apoio a uma linha mais adiantada constituída por Iuri Medeiros, Diogo Jota e Gonçalo Guedes. Com o equipamento alternativo verde água, a turma nacional portuguesa começou por encontrar pela frente um adversário capaz, num jogo que começou marcado pela toada do equilíbrio. Ainda assim, o primeiro golo aconteceria para a turma lusa.

À passagem da meia-hora, na transformação de um pontapé livre em zona frontal à baliza holandesa, Iuri Medeiros rematou da melhor forma levando a bola a passar por cima da barreira até se alojar no fundo da baliza à guarda de Jurjus, o guarda-redes holandês que viria a ser determinante mais tarde na segunda metade da partida. Portugal não conseguiu segurar a vantagem já que cinco minutos depois do golo luso os holandeses empataram a partida, depois de Zivkovic ter transformado uma grande penalidade a castigar uma falta cometida por Edgar Ié sobre Ouwejan.

A igualdade ao intervalo era perfeitamente ajustada ao jogo jogado, acabando Portugal por inclinar o prato da balança no segundo tempo, já depois dos dois conjuntos terem operado algumas alterações. Rui Jorge começou por apostar em Rui Silva e Simão, para os lugares de Joel Pereira e Pedro Rebocho, trocando mais tarde Gonçalo Guedes e Iuri Medeiros por Carlos Mané e Daniel Podence.

Portugal continuava a produzir mais, a ter mais oportunidades, mas o guarda-redes Jurjus estava em tarde positiva e foi chegando para as encomendas. Ao mesmo tempo, os técnicos dos dois conjuntos apostavam em ver as opções a partir do banco, deixando o resultado para segundo plano de importância, avançando Rui Jorge para mais duas mudanças, agora com a chamada de Bruma e Ricardo Horta para os lugares de Diogo Jota e Rúben Neves. Já com todas as alterações operadas, Portugal esteve por duas vezes à beira de conseguir novo golo, com Podence a obrigar Jurjus a duas defesas de elevado nível de dificuldade, acabando o jogo pouco depois sem que ninguém desfizesse o empate no marcador da partida.

Prossegue assim a caminhada da selecção de sub-21 sem qualquer derrota, uma marcha sem dúvida merecedora de todos os elogios e, certamente mais importaate do que isso, capaz de permitir a este grupo de trabalho sonhar com a conquista do título já no próximo ano. Será colocar a fasquia demasiado alta? Talvez... mas sonhar não custa e o sonho para os portugueses desde há algum tempo que deixou de ser apenas uma utopia.

texto: Jorge Reis

Pin It