Sem golos, mas com duas bolas na trave da baliza espanhola e uma mão cheia de oportunidades para a Selecção de Portugal, a Turma das Quinas recebeu esta quarta-feira no Estádio José Alvalade a sua congénere de Espanha para jogo amigável marcado pela presença de público nas bancadas, um jogo que recebeu 2.500 adeptos no recinto do Sporting. Quanto ao futebol praticado, foi uma partida com boas exibições de ambos os conjuntos, com a formação espanhola melhor no primeiro tempo, e Portugal a responder por cima na segunda metade do jogo, altura em que chegou mesmo a colocar as já referidas duas bolas na trave da baliza à guarda de Kepa.

Com um onze inicial diferente do que é habitual, a Seleção portuguesa incluiu de início algumas “novidades” na formação titular escalada por Fernando Santos que fez alinhar de início uma formação com Ruben Semedo, Renato Sanches, André Silva e Trincão, ao lado dos “normais” Rui Patrício, João Cancelo, Pepe, Raphaël Guerreiro, Rúben Neves, João Moutinho e o “capitão” Cristiano Ronaldo. Do lado da formação espanhola, o craque Sérgio Ramos começou no banco de suplentes para entrar no seu lugar o jovem Eric Garcia, de 19 anos, ele que acabou substituido aos 82 minutos por... Sérgio Ramos.

Com a bola a rolar, e enquanto nas bancadas os dirigentes das selecções de Portugal e Espanha, Fernando Gomes e Luis Rubiales, respectivamente, assinavam o protocolo que lançava a candidatura conjunta à organização do Mundial de 2030, a primeira parte do jogo era marcada pelo dominio espanhol, realidade que durante os 30 minutos iniciais conseguiu ser sufocante no ataque do conjunto do país vizinho, obrigando a linha defensiva de Portugal a jogar sempre mais recuada. Destaque por esta altura para as exibições de Dani Olmo e Rodrigo como aqueles que mais oportunidades perigosas para as cores de Portugal conseguiram criar.

Devido à alta pressão espanhola foi notável também a boa exibição da defesa portuguesa, especialmente de Guerreiro, Pepe e do guardião Rui Patrício, que conseguiram manter o “nulo” no marcador apesar da grande pressão espanhola. Não tão boa nesta fase do jogo foi a prestação de Rubén Semedo, o central que neste mercado de transferências foi apontado ao Benfica e que, com um evidente nervosismo, não conseguiu demonstrar a qualidade em campo, tendo quase sempre sido batido nas situações de um contra um. Certo é que Portugal só acordou após os primeiros 30 minutos, altura em que começou a criar perigo para a baliza espanhola, com Ronaldo, Guerreiro e Sanches a surgirem como os jogadores que mais perigo criaram nas movimentações ofensivas de Portugal.

Com o arranque da segunda parte manteve-se o que aconteceu nos 15 minutos finais da primeira, com Portugal a dominar e a criar mais oportunidades de golo. Fernando Santos apostou em Ruben Dias, William Carvalho e Bernardo Silva na Turma das Quinas, respondendo o seleccionador Luis Enrique com a entrada de Merino, Gaya e Campaña.

Certo é que Portugal foi mais forte ofensivamente e durante esta segunda parte teve várias situações em que o golo não ocorreu por mero acaso. Ronaldo atirou um remate potente à barra, e Renato Sanches após um passe de trivela de Ronaldo, também o fez, levando a bola a bater ainda em cima da linha de baliza acabando por não entrar.

Posto isto e na tentativa de mexer o jogo, o selecionador espanhol chamou ao jogo Adama Taoré, extremo do Wolverhampton que tem dupla cidadania (espanhola e maliana) e este não desiludiu, acabando mesmo por ser quem mais se destacou na segunda parte do lado espanhol.

Fernando Santos ainda colocou em campo Diogo Jota e João Félix, com este a entrar para o lugar de Cristiano Ronaldo. O internacional português do Atlético de Madrid teve duas boas oportunidades, uma em que assistiu Trincão para a defesa de Kepa, e outra já em cima do apito final, onde falhou o toque na bola que parecia simples, após esta ter sido desviada de cabeça pelo central Ruben Semedo.

Terminou assim empatada e sem golos a partida amigável entre Portugal e Espanha, um jogo que ficou marcado pelo regresso do público aos estádios de futebol em Portugal continental e que antecede dois encontros oficiais da Seleção referentes ao calendário da Liga das Nações, domingo em Paris frente à França, e depois na próxima quarta-feira de novo em Alvalade, então com a Suécia como o adversário da Seleção lusa.

Diogo Reis/LusoGolo

Pin It