×

Mensagem

Failed loading XML... Entity 'atilde' not defined Entity 'ordm' not defined Entity 'iacute' not defined

Frente ao Rio Ave, com uma equipa “reconstruída” com alguns elementos ainda pouco (ou nada) vistos na presente temporada, o Benfica garantiu este sábado uma vitória merecida frente ao Rio Ave, por 2-1, num jogo em que o adversário ainda tentou assustar, perante um conjunto benfiquista que dominou sempre os acontecimentos mesmo se aqui e ali optou por manter um ritmo de serviços mínimos, optando mais por controlar do que construir. Com novos jogadores na equipa, o Benfica nem sempre manteve os melhores ritmos já que um ou outro elemento ainda está em busca das melhores forma físicas, mas o jogo esteve sempre controlado e o resultado, mesmo iniciado com um golo apontado a partir de uma grande penalidade inexistente, a verdade é que os “encarnados” acabaram por merecer o triunfo face ao que o Benfica fez contra aquilo que o Rio Ave não fez.

Em termos de equipa, do lado do Benfica, Rui Vitória chamou Svilar para a baliza, apoiado por uma defesa formada por André Almeida, Conti, Jardel e Yuri Ribeiro, surgindo depois Gedson, Alfa Semedo e Pizzi no meio-campo, sobrando para as acções ofensivas o trio formado por Salvio, Seferovic e Rafa. Do lado do Rio Ave, o técnico José Gomes apostou em Leo Jardim como guarda-redes, acompanhado por Junior Rocha, Borevkovic, Buatu e Afonso Figueiredo, ainda Jambor e Schmidt como “trincos” à frente da defesa, uma linha média formada por Gabrielzinho Diego e Galeno, sobrando depois o brasilkeiro Carlos Vinícius como o homem mais adiantado no terreno em busca dos melhores caminhos para a baliza de Svilar.

Com estas equipas, o resultado começou a ser construído no primeiro tempo, aos 20 minutos, com o já referido golo obtido a partir de uma grande penalidade que, na verdade, não terá existido. Gedson Fernandes caiu dentro da grande área supostamente carregado por um elemento do Rio Ave, o árbitro Rui Oliveira estava aparentemente bem colocado, mas a verdade é que não ficou claro qualquer toque sobre o jogador do Benfica, tendo ficado a sensação de que esse toque não existiu. Sem vídeo-árbitro nesta competição, prevaleceu a decisão do árbitro e o jogo avançou para o castigo máximo, convertido pelo argentino Toto Sálvio, permitindo que o jogo chegasse ao intervalo com o Benfica em vantagem.

No segundo tempo o Benfica manteve o domínio dos acontecimentos e rapidamente aumentou a vantagem, num golo de Rafa Silva, num lance veloz em que o extremo benfiquista entrou na área do Rio Ave pelo corredor esquerdo para receber um passe de Sálvio e disparar para o segundo golo dos “encarnados”. Era um golo merecido pelo Benfica, uma vantagem justificada, mas curiosamente perante um adversário que não se limitava a fazer figura de corpo presente, tendo antes uma palavra a dizer no resultado. De tal forma assim foi que o golo do Rio Ave apareceu mesmo, ao minuto 60', apontado por Carlos Vinícius depois de uma excelente iniciativa de Galeno, assinando aquele que viria a ser o resultado final do jogo em 2-1.

Rui Vitória ainda teve tempo para dar minutos de jogo a Samaris, Gabriel e Carrillo, com o grego a escapar por muito pouco a um cartão vermelho que deveria ter visto na sequência de uma carga ao minuto 79'. Carrillo não teve tempo para grandes apontamentos, enquanto que Gabriel, que entrou para o lugar de Pizzi, deu conta de alguns pormenores de qualidade, deixando a curiosidade instalada para vermos mais tarde do que será capaz este reforço do Benfica.

A turma da Luz garantiu assim a vitória sobre o Rio Ave e os três pontos no Grupo A da Taça da Liga, um triunfo merecido por parte da equipa da casa num jogo realizado perante cerca de 30 mil espectadores na Luz, um estádio meio-cheio (ou meio-vazio) num sábado à tarde em que o recinto benfiquista merecia outra moldura humana, ainda mais numa altura em que o Benfica precisa de dar conta da sua força quando tanta polémica está a abanar o clube com as questões relativas ao processo e-toupeira ou às ameaças de jogos a realizar à porta fechada. Ao invés de demonstrar a força que inegavelmente possui, o Benfica acabou assim por disputar este jogo frente ao Rio Ave apenas com meia casa preenchida.

Curiosamente, à passagem do minuto 88, o Rio Ave perdeu o que tinha tudo para ser o golo do empate com Bruno Moreira a falhar o golo na pequena área do Benfica depois de um excelente lance de Jambor. O Benfica somou assim os primeiros três pontos nesta Allianz Cup, competição em que, e para o mesmo grupo A, Paços de Ferreira e Desportivo das Aves empataram no jogo realizado entre ambos à porta fechada, por castigo à turma pacense. Já a seguir, para os jogadores às ordens de Rui Vitória, o embate com o Bayern de Munique para a Liga dos Campeões... e dos milhões!

texto: Jorge Reis
fotos: reprodução ©Twitter

Pin It