×

Mensagem

Failed loading XML... Entity 'eacute' not defined Entity 'ccedil' not defined Entity 'atilde' not defined Entity 'iacute' not defined Entity 'ccedil' not defined Entity 'otilde' not defined Entity 'eacute' not defined Entity 'laquo' not defined Entity 'raquo' not defined

Benfica e Sporting empataram este sábado (1-1) no dérbi dos dérbis do futebol português, jogo da terceira jornada da I Liga em que Salin foi o homem da partida pelas inúmeras defesas que conseguiu, Nani esteve em evidência por ter marcado o golo do Sporting frente ao Benfica, ele que na sua carreira nunca tinha marcado aos "encarnados", e o miúdo João Félix foi a chave para abrir a baliza de Salin com o golo do empate, a permitir ao miúdo inscrever o seu nome na história dos clássicos do futebol português entre os rivais de sempre Benfic e Sporting.

Ao longo da semana os dirigentes do Sporting, e nomeadamente Sousa Cintra, o líder da SAD leonina, tinha dito que o empate no dérbi em casa do Benfica seria positivo, e se bem o disse melhor o cumpriu, num jogo que terminou com o empate já referido, construído com golos de Nani para o Sporting aos 62 minutos, na transformação de uma grande penalidade cometida por Rúben Dias sobre Montero, e ainda pelo jovem João Félix, para o Benfica, aos 86 minutos, a assinar o resultado final da partida.

Se olharmos para as estatísticas do jogo, o Benfica teve mais posse de bola (62% contra 38%), mais oportunidades de golo construídas e mais remates à baliza contrária, mas ali o guardião Salin surgiu como rei e senhor assumindo-se como o melhor jogador em campo, tantas tão decisivas foram as defesas concretizadas pelo guarda-redes sportinguista.

Do lado do Benfica, o herói improvável acabou mesmo por ser o miúdo João Félix, ele que entrou em campo aos 71 minutos por troca com Pizzi, na mesma altura em que também entrou Seferovic por troca com Ferreyra. Aos 86 minutos, e na resposta a um cruzamento do lado direito do ataque por Rafa, que neste jogo foi titular no lugar de Sálvio, João Félix apareceu em velocidade na grande-área do Sporting saltando mais alto do que Ristovski e cabeceando para o seu primeiro golo pela equipa principal do Benfica, e logo no dérbi dos dérbis.

À partida para este jogo, as duas equipas surgiam com algumas “baixas” de peso, com o Benfica a jogar sem Jonas nem Castillo, mas também sem Sálvio, que não recuperou a tempo de ser opção para Rui Vitória. Por via destes impedimentos, o técnico do Benfica apostou em Rafa no corredor lateral direito, com Ferreyra na frente e Cervi à esquerda.

Já na equipa do Sporting, que não pôde contar com Bas Dost, mas também sem o central Mathieu, surgiram como titulares Montero na frente e André Pinto no eixo da defesa. Com estes argumentos, o Benfica teve mais bola, rematou mais, obrigou Salin a um punhado de defesas de enorme nível de dificuldade, mas seria o Sporting a abrir a contagem com a grande penalidade marcada com sucesso por Nani.

A perder em casa, com a obrigação de fazer algo para dar a volta ao resultado, e já depois de ter feito uma primeira alteração no "onze", com a entrada de Zivkovic para o lugar de Cervi, o técnico Rui Vitória surpreendeu com duas alterações aparentemente pouco ousadas, apostando em Seferovic e João Félix por troca com Ferreyra e Pizzi. E se Seferovic pouco produziu naqueles vinte e poucos minutos que esteve em campo, João Félix acabou por assinar o resultado final deste jogo.

O Benfica terá agora que avançar já na preparação do jogo da próxima quarta-feira em Salónica, na Grécia, frente ao PAOK, na segunda mão do playoff de apuramento para a fase de grupos da Liga dos Campeões, um jogo em que os ”encarnados" terão que recuperar do empate (1-1) da primeira mão no Estádio da Luz, obrigando a turma às ordens de Rui Vitória a ter que vencer na Grécia ou, pelo menos, a empatar com dois ou mais golos marcados. Já em relação ao Sporting, numa fase com menos compromissos oficiais, poderá regressar ao trabalho apenas na segunda-feira para uma semana que culminará com a recepção no Estádio de Alvalade do Feirense, equipa que esta época vai somando por vitórias os três jogos já disputados na I Liga.

Uma nota final para o trabalho do árbitro Luís Godinho que assinou um trabalho irregular e que, mesmo sem erros flagrantes com consequências para o resultado, contribuíu para um ambiente por vezes quezilento desde logo quando logo nos primeiros minutos do jogo deixou por mostrar um cartão amarelo a Ristovski por uma entrada sobre Fejsa. Também nos minutos dados de compensação, Luís Godinho deixou a desejar face ao tempo que o jogo foi parando, nomeadamente no segundo tempo.

textos: Jorge Reis
fotos: reprodução ©Twitter

Pin It