Na sequência das investigações em redor do Sporting que apontam para a alegada existência de um esquema de viciação de resultados dos jogos de futebol da época agora concluída, com algumas notícias a darem conta do suposto envolvimento do jogador João Aurélio, do Vitória de Guimarães, como um dos elementos que teriam ajudado a turma de Alvalade a garantir triunfos, nomeadamente no jogo entre o Vitória e o Sporting que os "leões" venceram por 0-5, o futebolista do Vitória de Guimarães divulgou um comunicado em que nega qualquer envolvimento em esquemas de viciação de resultados.

“Face às notícias veiculadas pelos órgãos de comunicação social, envolvendo o meu nome, sou a informar que as nego veementemente, pois sou completamente inocente. Desconheço, por completo, as razões para as referências ao meu nome. Não conheço, não sei quem são e nunca tive qualquer contacto ou qualquer abordagem, por parte desses nomes indiciados nas notícias, alegadamente relacionados com o Sporting", pode ler-se no referido comunicado.

Esta tomada de posição por parte do jogador do Vitória de Guimarães surge horas depois da detenção de quatro pessoas por parte da Polícia Judiciária, esta quarta-feira, entre elas o director para o futebol do Sporting, André Geraldes, no mesmo dia em que decorreram buscas na SAD do Sporting, em Lisboa, por “suspeitas de corrupção activa”, no âmbito de uma operação denominada 'Cashball'.

No mesmo comunicado, João Aurélio, diz estranhar que “até este momento, nunca tenha sido chamado a prestar declarações às entidades competentes”, referindo ter já instruído o seu advogado no sentido de que este possa agir judicial e criminalmente “contra todos aqueles que, por qualquer forma, lançaram ou difundiram essas falsas insinuações", exigindo celeridade ao Estado e às autoridades judiciais no apuramento da verdade de forma a retirar o seu nome do que classifica de "lamaçal".

O jogador termina agradecendo as manifestações de apreço e solidariedade de que foi alvo, nomeadamente de colegas de profissão, Sindicato dos Jogadores, e em especial, do Vitória de Guimarães, clube que diz representar "com enorme orgulho e respeito".

Por seu turno, o próprio Vitória de Guimarães, em comunicado assinado pelo seu presidente, Júlio Mendes, fez questão de “manifestar a sua total surpresa e estupefação perante os factos hoje trazidos a público pela comunicação social nacional”, afirmando em dois pontos que o Vitória “repudia, de forma veemente, a prática de qualquer acto que prejudique a verdade desportiva e extrairá as devidas consequências junto de todo e qualquer agente desportivo que se venha a demonstrar ter praticado tais actos ou que ponham em causa o bom nome e a credibilidade de uma instituição quase centenária e que se orgulha de ser uma referência desportiva nacional”, afirmando ainda o clube da cidade-berço que, “enquanto principal interessado no apuramento da verdade, exige uma rápida, enérgica e eficiente intervenção dos órgãos judiciais competentes, mostrando-se totalmente ao dispor para o que venha a ser entendido como necessário.”

Seis jogos do Sporting na I Liga em investigação

A investigação da PJ levou à detenção do ‘team manager’ do Sporting, André Geraldes, e também de Paulo Silva, suposto intermediário em casos de alegada corrupção em jogos de andebol e de futebol, e de João Gonçalves e Gonçalo Rodrigues, funcionário do clube.

Segundo o Correio da Manhã, a investigação do Ministério Público incide sobre vários jogos de futebol, nomeadamente sobre a partida já citada da terceira jornada da I Liga entre o Vitória de Guimarães e o Sporting, mas também mais cinco jogos do Sporting nas seis primeiras jornadas na presente época da I Liga, com Desportivo das Aves, Vitória de Setúbal, Estoril Praia, Feirense e Tondela. Aliás, na manchete da edição desta quinta-feira do Correio da Manhã, o matutino dá conta de que o Sporting terá corrompido elementos da equipa finalista da Taça de Portugal, o Desportivo das Aves, no início da temporada que chegou ao final no passado domingo.

©LusoGolo

Pin It