×

Mensagem

Failed loading XML... Entity 'eacute' not defined Entity 'ccedil' not defined Entity 'atilde' not defined Entity 'iacute' not defined Entity 'ccedil' not defined Entity 'otilde' not defined Entity 'eacute' not defined Entity 'laquo' not defined Entity 'raquo' not defined

Um golo apontado pelo holandês Bas Dost, na transformação de uma grande penalidade ao minuto 26', assinalada pelo VAR depois de um corte com o braço por Robson, após cruzamento de Bruno Fernandes para a grande área do Boavista, permitiu ao Sporting uma vitória pela diferença mínima sobre os axadrezados, no Estádio de Alvalade, em jogo da 31ª jornada do campeonato da I Liga. Curiosamente, o árbitro Fábio Veríssimo, sem qualquer indicação do seu auxiliar que estava bem perto do lance, nada assinalou, acabando por ser determinante a intervenção de Vasco Santos que, nesta partida, desempenhou as funções de vídeo-árbitro.

Assinalada a grande penalidade, Bas Dost foi chamado à conversão da mesma e não perdoou, colocando o Sporting em vantagem com um golo que viria a ditar o desfecho final do resultado. Depois disto, outros golos poderiam ter marcado o Sporting, num jogo em que o guarda-redes Vagner, na baliza boavisteira, assinou uma excelente exibição ao negar golos certos aos jogadores do Sporting, nomeadamente a Gelson Martins, o melhor jogador em campo na turma às ordens de Jorge Jesus. E se é verdade que o Sporting até recuou no segundo tempo, permitindo a iniciativa do jogo ao conjunto visitante, continuaram a ser favoráveis ao Sporting as oportunidades mais flagrantes, isto porque o Boavista raramente teve capacidade de incomodar efectivamente Rui Patrício.

Com uma acção lenta e pouco eficaz, por várias vezes os jogadores do Boavista tiveram que recorrer à falta para recuperarem a posse de bola, cometendo diversas faltas que justificaram o acumular de cartões amarelos vistos pelos homens às ordens de Jorge Simão, o técnico dos “axadrezados” que tentou ainda dar outra capacidade à sua equipa através de um conjunto de alterações “atrevido”, colocando mesmo o Boavista a jogar apenas com três defesas e balançado para o ataque, mas sem que com isso tenha conseguido qualquer consequência mais positiva para a sua equipa em termos de resultados.

O Sporting, mesmo dando mais terreno de jogo ao adversário, continuou a controlar a partida, cabendo-lhe as melhores iniciativas ofensivas, com Gelson Martins a fazer a cabeça em água ao sector defensivo da equipa visitante. Ristovski também esteve em evidência, e apenas Bas Dost não acompanhou o bom jogo dos seus companheiros, ele que até fez o gosto ao pé, com o único golo da partida, apontado na transformação de um castigo máximo, mas que para além disso esteve sempre muito ausente do jogo, dando conta de enorme cansaço, uma condição que é de algum modo transversal ao grupo de trabalho leonino.

Com este triunfo, o Sporting mantém-se na corrida pelo segundo lugar no encalce do Benfica, que segue na frente dos "leões" com três pontos de vantagem, e não perde a esperança de conseguir a conquista do título ainda matematicamente ao seu alcance.

Já o Boavista, que pouco mais pode fazer neste campeonato em que tem a manutenção assegurada com uma posição no meio da tabela sem grandes possibilidades de chegar muito mais alto em termos classificativos, resta-lhe avançar para as últimas três jornadas com a ambição de conseguir o melhor final de campeonato possível, consciente de que será apenas uma questão de orgulho dos jogadores axadrezados que irão querer garantir, naturalmente, os melhores resultados possíveis nos jogos que têm a disputar com Paços de Ferreira, Sporting de Braga e Belenenses, equipas igualmente com as respectivas classificações “resolvidas” com quem será de esperar jogos abertos e bem disputados, afinal a bem do próprio campeonato.

texto: Jorge Reis
fotos: Luís Moreira

Pin It