Frente ao Desportivo de Chaves, no jogo de abertura da fase de grupos da Taça da Liga, o campeão nacional FC Porto voltou esta sexta-feira a escorregar ao consentir um empate (1-1) num jogo que volta a ficar marcado pela expulsão dos azuis-e-brancos, Sérgio Conceição, ele que recebeu ordem de expulsão durante o intervalo depois de se dirigir ao árbitro, Vítor Ferreira, alegadamente para protestar contra o antijogo feito pelo adversário sem que o juíz da partida tenha tomado qualquer atitude. Em termos de jogo jogado, até foi o FC Porto quem abriu o marcador, com um golo de Hernâni ao minuto 74', mas nove minutos depois permitiu que o conjunto transmontano repusesse a igualdade, ao minuto 83, por Eustáquio, num lance em que o avançado Diogo Luís desviou um cruzamento para junto ao poste onde apareceu o seu companheiro de equipa para finalizar com golo.

O FC Porto voltou assim a somar um resultado menos positivo na sua casa, agora para a Taça da Liga, isto já depois de ter permitido que o Belenenses provocasse um susto quando empatou um jogo a 2-2 depois do FC Porto ter estado a ganhar por 2-0, acabando o jogo com a vitória portista por 2-3, e pior do que isso permitindo que o Vitória de Guimarães desse a volta ao resultado positivo para os dragões de 2-0 para um triunfo vimaranense de 2-3 também no Estádio do Dragão, na terceira jornada do campeonato da I Liga.

Desta vez os flavienses apenas conseguiram marcar o golo que impediu a vitória ao campeão nacional, mas não deixa de não ser um resultado menos positivo que volta a disparar as campaínhas de alarme relativamente ao “estado de saúde” da equipa do FC Porto que sente dificuldades em segurar um resultado positivo mesmo no seu Estádio do Dragão. E se os resultados voltam a preocupar, as questões disciplinares também não ajudam já que Sérgio Conceição voltou a ser expulso e a não poder acompanhar o jogo da sua equipa até ao final, algo que não ajudará a turma campeã nacional a garantir a tranquilidade que por certo precisa para garantir os seus objectivos nas diferentes competições em que se encontra envolvido e também nesta Taça da Liga ou Allianz Cup.

180914 FCP GDC 02

180914 FCP GDC 03

180914 FCP GDC 05

Sobre a forma como os dois técnicos apresentaram as suas equipas, Sérgio Conceição apostou num "onze” com algumas mudanças face à “equipa tipo”, com seis alterações relativamente aos eleitos do último compromisso do FC Porto. Vaná foi chamado à titularidade na baliza por troca com Casillas, tendo sido chamado também à equipa inicial nesta partida João Pedro, Diogo Leite, Danilo, Corona e Adrián, ficando de fora o guardião espanhol, mas também os defesas Maxi Pereira e Militão, o médio Sérgio Oliveira e o extremo Brahimi, completando a formação portista Felipe e Alex Telles na defesa, Otávio, e Herrera na linha média e Marega na frente junto ao já referido Adrián.

Do lado do Desportivo de Chaves, o técnico Daniel Ramos chamou para este jogo o guardião António Filipe, com Filipe Brigues, Nuno Coelho, Marcão e Luís Martins na defesa, Jefferson, Eustáquio e Bruno Gallo na linha média, e ainda Perdigão, Niltinho, William como os homens mais adiantados no terreno procurando construir lances de ataque no meio-campo do FC Porto, que dominou os acontecimentos ao longo de todo o primeiro tempo, altura em que o conjunto flaviense apenas por duas vezes incomodou Vaná. Na fase final dos primeiros 45 minutos, o jogo surgiu algo quezilento, levando os elementos do FC Porto a protestarem o tempo perdido por reposições de bola tardias e diversas pargens do jogo. Isso mesmo, aliás, terá estado na base dos protestos de Sérgio Conceição que acabaram por ditar a sua expulsão.

180914 FCP GDC 06

180914 FCP GDC 07

180914 FCP GDC 08

Acabaram assim por ficar reservados para o segundo tempo os golos do jogo, primeiro para o FC Porto ao minuto 74, já depois de Sérgio Conceição ter operado uma mudança na sua equipa, chamando a jogo Brahimi para o lugar de Corona, ao minuto 60, e ainda Hernâni por troca com Adrián Lopez, dois minutos antes do golo. Antes o Desportivo de Chaves ainda ameaçou, mas o golo apareceu mesmo para a equipa da casa, num lance construído exactamente pelos dois homens que saíram do banco. Brahimi trabalhou na esquerda, a bola sobrou para Hernâni e este não perdoou.

Só que o Desportivo de Chaves já tinha andado perto da baliza de Vaná, ganhara mesmo alguma confiança, e chegou mesmo ao golo ao minuto 83, por Eustáquio, depois de uma assistência de Diogo Luís. O FC Porto acusou o golo, ainda procurou voltar a marcar, fez um golo à beira do final por Aboubakar que entrara logo depois do golo flaviense por troca com Otávio, mas o avançado portista desviou a bola para dentro da baliza do Chaves com a mão e o golo foi bem invalidado, prevalecendo o empate até ao apito final do árbitro Vítor Ferreira.

texto: José Andrade
fotos: reprodução ©Twitter

Pin It