Depois de uma primeira parte sem golos em que o Sporting dominou mas não traduziu em golos esse domínio sobre o FC Porto, os “Dragões”, mesmo depois de consentirem um primeiro golo apontado de forma soberba por Sarabia num lance estudado em resposta a um pontapé de canto, no arranque do segundo tempo, conseguiu dar a volta ao resultado, uma cambalhota que terminou com o 1-2 final e que teve início numa grande penalidade cometida de forma infantil por Porro com a qual o conjunto portista repôs a igualdade, com o castigo máximo a ser transformado por Taremi.

Refira-se que o lance da grande penalidade mereceu alguma discussão já que Porro poderá ter sofrido uma carga no rosto por parte de Evanilson, mas Soares Dias não considerou e apitou de imediato a falta do lateral espanhol depois da queda de Evanilson, um juízo que não mereceu qualquer observação por parte do VAR.

Após o penálti que permitiu o empate, um lance simplesmente perfeito de ataque apoiado, após uma bola perdida pelo Sporting no meio-campo, resultou num lance veloz pela direita com a bola a ser cruzada para o lado contrário passando ainda por um toque de calcanhar de Taremi para a conclusão soberba de Evanilson, para o 1-2 final.

Num jogo que esteve parado pelo menos por três vezes por força da acção nefasta dos adeptos do Sporting da Juve Leo, que atiraram outras tantas vezes tochas e petardos para junto da baliza Vítor Damas, primeiro logo no arranque do jogo quando era Adán o guarda-redes ali presente e que nem por isso deixou de ter que sair de entre os postes para não ser atingido pelas tochas. mas também a meio da primeira parte e no arranque do segundo tempo quando na baliza estava já o guarda-redes Marchesine do FC Porto.

O FC Porto conseguiu encontrar o melhor futebol curiosamente depois de estar em desvantagem, passando a comandar o jogo sem permitir mais veleidades ao conjunto leonino.

Comandando o segundo tempo e superiorizando-se, o FC Porto acabou por vencer no jogo jogado com justiça por ser a equipa mais esclarecida, num jogo em que aqui e ali o árbitro Artur Soares Dias apontou algumas faltas quase sempre favoráveis ao conjunto portista, travando o ataque do Sporting ou simplesmente irritando os jogadores leoninos que acusaram a pressão deste jogo com o conjunto rival do norte. Curiosamente, ao minuto 68', uma falta cometida por Ugarte pelo portista Pepê na grande-área leonina deveria ter permitido a marcação de uma grande penalidade a favor do FC Porto que a equipa de arbitragem deixou passar em claro.

No final, o FC Porto festejou a vitória neste jogo da primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal, podendo agora esperar pelo jogo da segunda mão com a tranquilidade de quem está em vantagem na eliminatória, sabendo que o Sporting, se quiser dar a volta à mesma, terá que vencer por 2-0 ou mais no Estádio do Dragão.

Nota para alguns mosquitos por cordas no final do jogo, com Rúben Amorim a reclamar junto de Sérgio Conceição por este ter acusado Porro de ter simulado uma carga adversária. Ainda assim, Conceição e Amorim concluíram as “bocas” sem mais consequências e o jogo acabou sem mais notas a retirar, afinal bem diferente do que acontecera no jogo entre as duas equipas refernete à I Liga no Estádio do Dragão há algumas semanas. A segunda eliminatória desta meia-final da taça de Portugal está agendada para o mês de Abril.

texto: Jorge Reis
fotos: Luís Moreira Duarte
Pin It