×

Mensagem

Failed loading XML...

Leonardo DiCaprioA 88.ª edição dos Óscares, os mais importantes prémios do cinema, decorreu na última madrugada no Dolby Theatre, em Los Angeles, nos Estados Unidos da América , e consagrou o filme "O caso Spotlight" como o melhor do ano, numa noite em que Leonardo DiCaprio recebeu a primeira estatueta dourada da sua carreira, mais concretamente o Óscar para melhor actor principal, pelo papel protagonizado em "O renascido".

DiCaprio conseguiu assim conquistar o seu primeiro Óscar à sexta nomeação para este prémio, tendo, no seu discurso de celebração, dedicado o galardão ao co-protagonista de "O renascido", Tom Hardy, e ao realizador, Alejandro González Iñárritu. Leonardo DiCaprio aproveitou ainda para apelar à defesa do ambiente e pediu a protecção "dos indígenas" e "das pessoas sem privilégios" e "sem voz".

Quanto ao filme do ano, "O caso Spotlight", do realizador Tom McCarthy, relata a investigação jornalística do Boston Globe que revelou os abusos sexuais de menores na Igreja Católica de Boston, nos Estados Unidos. No discurso de agradecimento da distinção, McCarthy afirmou que o filme "deu voz" aos sobreviventes daqueles abusos.

Numa noite marcada pelo habitual glamour da passadeira vermelha e pela presença de muitas “estrelas” internacionais, principalmente do mundo do cinema e da música, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, responsável pela atribuição destes prémios, decidiu ainda entregar o Óscar de melhor actriz principal à norte-americana Brie Larson, pela sua interpretação em "O quarto".

Por sua vez, o mexicano Alejandro González Iñárritu ganhou o Óscar de melhor realizador, por "O renascido", conquistando este troféu pelo segundo ano consecutivo, depois de em 2015 ter sido premiado por "Birdman".

Spotlight e Leonardo DiCaprio conquistam Óscares

Além do prémio para melhor filme, "O caso Spotlight" arrecadou também o Óscar de melhor argumento original, mas "Mad Max: Estrada da fúria" e "O renascido" acabaram por ser os filmes que foram distinguidos com mais estatuetas douradas, com seis e três galardões, respectivamente.

Em termos de número de troféus, "Mad Max: Estrada da fúria" destacou-se da concorrência ao receber os galardões de melhor guarda-roupa, maquilhagem, design de produção, montagem, edição de som e mistura de som.

Por seu turno, o filme com mais nomeações, "O renascido", ficou, além dos Óscares de melhor realizador (Alejandro González Iñárritu) e de melhor actor (Leonardo DiCaprio), com a distinção para melhor fotografia (Emmanuel 'El Chivo' Lubezki).

A Academia entregou ainda os Óscares de melhores actriz e actor secundários à sueca Alicia Vikander e ao britânico Mark Rylance, respectivamente, pelos seus papéis nos filmes "O Quarto" e "A ponte dos espiões".

"Divertida-mente" foi considerado o melhor filme de animação, enquanto o húngaro "O filho de Saul" ganhou o Óscar para o melhor filme estrangeiro de língua não inglesa.

Aos 87 anos de idade, o compositor e maestro italiano Ennio Morricone arrecadou o seu primeiro Óscar, pela banda sonora de "Os oito odiados", enquanto o galardão para a melhor canção original premiou “Writing's on the Wall”, de Sam Smith, que também venceu a sua primeira estatueta, depois de ter interpretado este tema durante a cerimónia.

A estatueta para o melhor guião adaptado foi atribuída pela Academia ao filme "A queda de Wall Street", tendo o prémio para melhor documentário de longa-metragem destacado “Amy”, documentário britânico realizado por Asif Kapadia que retracta a vida e a morte da cantora britânica Amy Winehouse.

O filme “Ex-Machina: Instinto Artificial” também viu o seu nome ser escrito na história dos Óscares ao receber a estatueta para melhores efeitos visuais.

Spotlight e Leonardo DiCaprio conquistam Óscares

Além da entrega dos mais cobiçados prémios do cinema, a 88.ª edição dos Óscares ficou marcada pela crítica à falta de diversidade étnica entre os nomeados, questão abordada nos últimos dias e que esteve presente na cerimónia, que arrancou com o apresentador, Chris Rock, a fazer piadas precisamente sobre a falta de diversidade racial dos nomeados. Chris Rock deu as boas-vindas aos convidados referindo, em jeito de brincadeira e simultaneamente de provocação, que esta cerimónia é "também conhecida como os prémios das pessoas brancas". "Se eles também nomeassem os apresentadores, eu não teria trabalho", acrescentou o humorista e actor afro-americano, em tom jocoso.

Por outro lado, o momento mais emocionante da noite terá sido a interpretação da música “Til it Happens to You”, que estava entre as nomeadas para melhor canção original, por parte de Lady Gaga. Com uma performance forte e com muito sentimento, a cantora norte-americana cantou e tocou o tema que aborda os abusos sexuais que acontecem em várias universidades dos Estados Unidos, tendo mesmo levado ao palco várias vítimas sobreviventes deste tipo de ataques, num momento que emocionou a plateia do Dolby Theatre.

Pin It