O Salão Preto e Prata do Casino Estoril recebe no próximo dia 31 de Outubro uma Noite de Gala que pretenderá assinalar os 60 anos da Estoril Sol com um evento em prol do turismo e da cultura, no qual haverá lugar a um desfile de Agatha Ruiz de la Prada, pelas 21 horas, mas também, um concerto exclusivo de Chris de Burgh.

Fundada em 1958, a Estoril Sol celebrará assim o seu 60º aniversário com um programa festivo em que, para além do já referido desfile de Agatha Ruiz de la Prada, decorrerá também pelas 21h30 um jantar dançante com a Orquestra Jorge Costa Pinto, prosseguindo a noite, a partir das 23 horas, com um concerto exclusivo de Chris de Burgh, estendendo-se os festejos até de madrugada com a actuação do dj Rodrigo d’Orey.

Com um posicionamento ímpar na área do turismo e no sector do jogo, a Estoril Sol distingue-se pelo seu inestimável contributo de apoio às artes, à cultura e ao espectáculo, mas também às letras e à solidariedade social, entre outras relevantes iniciativas que consolidaram, ao longo dos anos, uma relação profunda com a sociedade portuguesa. Fiel à sua matriz, a Estoril Sol concebeu assim um programa comemorativo de índole cultural que pretende ser marcante e incontornável no programa cultural do Casino Estoril. 

Casino AgathaRuizdelaPrada

Casino ChrisdeBurgh

Estoril Sol - 60 anos ao serviço do turismo e da cultura

Foi em 1958 que o Governo de Salazar colocou a concurso a concessão da exploração de jogos de fortuna e azar da zona exclusiva do Estoril. A Estoril-Plage, até então detentora da concessão do Casino Estoril, da família herdeira de Fausto Figueiredo, não se candidatou, acabando por ganhar a concessão a Estoril Sol, entidade criada para o efeito nesse mesmo ano, pelo empresário José Teodoro dos Santos. A Estoril Sol passou a gerir o velho Casino e fez uma forte aposta em vários eventos culturais e desportivos, nomeadamente as batalhas de flores no Parque do Estoril, mas também corridas de automobilismo, exposições, partidas de ténis e feiras de artesanato, entre outras iniciativas.

A Estoril Sol começou ainda a organizar o Carnaval nos Jardins do Casino, evento que ganhou dimensão internacional ao contar, logo na primeira edição, com a participação de Maurice Chevalier e de Pierre Balmain. Sucederam-se anos de muita folia, com carros alegóricos desenhados para o efeito, entre eles um que surgiu no evento com uma girafa criada por Salvador Dalí, carro que se tornou icónico, ficando vários anos exposto em frente ao Casino Estoril.

Em 1965 foi inaugurado o Hotel Estoril Sol, edifício de 21 andares e 404 quartos considerado naquela época a maior unidade hoteleira do país, fazendo parte integrante de uma das contrapartidas da atribuição da concessão à Sociedade Estoril Sol. O mesmo aconteceu, aliás, com a construção de um “novo” Casino Estoril, cuja obra viria a ficar concluída em 1968.

Após a morte de Teodoro dos Santos, em 1971, a Estoril Sol foi gerida pela estrutura acionista familiar onde constavam a viúva Marcelina Teodoro dos Santos, o filho Jorge Teodoro dos Santos e a filha Maria Emília Teodoro dos Santos Telles. O genro, Manuel Joaquim Telles, assumiu o cargo de Presidente do Conselho de Administração. Em 1984, a Estoril Sol venceu o concurso público para explorar a zona de Jogo do Estoril e, em 1987, renovou a concessão por mais 19 anos.

A estrutura acionista maioritária da Sociedade Estoril Sol passou a ser representada por Stanley Ho, empresário de Macau que já tinha ligações ao jogo, mas também à região. Assim, e com uma nova orientação, o Casino Estoril iniciou uma profunda reestruturação que incluiu, de forma faseada, um vasto programa de obras. O projecto, da autoria do arquitecto Fernando Jorge Correia, teve como tema o Preto e Prata, surgindo na mesma altura da aposta numa revolucionária filosofia de combinação do espectáculo e do entretenimento com o jogo, tradicional ou em slot-machines, empreendida por Mário Assis Ferreira. Esta forma diferente de ver a realidade dos casinos marcou uma nova época, sendo reconhecida pelo pioneirismo na originalidade e na ousadia das suas propostas e seguida por outros concessionários em Portugal, para além de se ter transformado num case study internacional.

CasinoEstoril LoungeD 001

Casino StanleyHo

Intervenção da Estoril Sol vai além do eixo Estoril-Cascais

Na Gala de celebração do cinquentenário da Estoril Sol, em 2008, Stanley Ho, presidente do Conselho de Administração da Estoril Sol SGPS, ao usar da palavra, lembrou já por aquela altura que “o sucesso da transformação conceptual que a Estoril Sol introduziu desde 1990 nos Casinos portugueses transformou os tradicionais espaços de jogo em verdadeiros mega centros de oferta de arte e de entretenimento”. Contudo, a Estoril Sol não deixou de alargar os seus horizontes, circunscritos inicialmente à valorização turística da região Estoril-Cascais.

Assim, em 1997, a Estoril Sol acolhe outro desafio emergente, isto porque, por força da aquisição do Casino da Póvoa, foi necessário remodelar um edifício de traça clássica. Após uma radical intervenção — preservando integralmente a dignidade arquitectónica do edifício —,  o seu interior mudou de forma e de estilo, passando a conviver com uma modernidade perdida. O Casino da Póvoa saiu assim de um imobilismo prolongado e reencontrou-se com os poveiros e as gentes do Norte. 

Por sua vez, o Casino Estoril conquistava o estatuto de maior Casino da Europa, visitado anualmente por mais de dois milhões de pessoas, com uma apreciável percentagem de turistas estrangeiros oriundos das mais diversas nacionalidades. Ao longo dos anos, consolidou-se como um espaço único no sector turístico nacional, dispondo de vários espaços que vão desde o entretenimento (Salão Preto e Prata, Auditório, Lounge D e Galeria de Arte) à restauração (Estoril Mandarim Zeno Lounge, Nobre Estoril, Buffet Clube IN), todos eles permitindo condições privilegiadas para os seus frequentadores.

Casino Lisboa foi construído em menos de um ano

Com o modelo e prestígio do Casino Estoril já consagrados, a Estoril Sol enveredou por uma nova aposta, inaugurando um Casino em Lisboa, a 19 de Abril de 2006. Construído no tempo recorde de 11 meses e três semanas, este inovador projecto, assinado pelo Atelier de Arquitectura Fernando Jorge Correia, distingue-se pela sua ousadia conceptual, bem como pelas opções estéticas dos interiores, com soluções funcionais e um layout de cariz vanguardista.

Estamos hoje em dia em Lisboa perante um Casino que foi direccionado para um público entre os 25 e os 40 anos, o qual gosta de um espaço mais minimalista, com um design depurado, de vanguarda, e que frequenta o Casino não só pela vertente do jogo mas, igualmente, pela vertente mais social e cultural.

O Casino Lisboa distingue-se pelas modernas áreas reservadas ao jogo, sendo também um espaço de eleição nos domínios do espectáculo (Auditório dos Oceanos, Arena Lounge e Galeria de Arte) e da restauração (Hua Ta Li, Le Buffet e Beltejo), tendo definido no seu espaço, desde a sua abertura, o turismo de negócios como uma das suas principais prioridades, constituindo o Casino de Lisboa um ponto de referência na oferta turística da cidade.

A promoção da cultura é pois um desígnio que acompanha a Estoril Sol e por inerência os seus Casinos, cujas iniciativas se estendem também, ao meio literário. Na área da Literatura, foram criados o prémio Literário Fernando Namora, em 1988, e Revelação Agustina Bessa-Luís, em 2008, e mais, recentemente, em 2016, o Prémio Vasco Graça Moura, reservado a uma personalidade portuguesa, que se tenha notabilizado na área da Cidadania Cultural do País.

Incontornável no panorama cultural é também a Revista Egoísta, lançada em 2000, e que rapidamente conquistou o estatuto de referência do meio literário, tendo sido já reconhecida com mais de 84 prémios nacionais e internacionais na área do jornalismo, design, edição, criatividade e publicidade, o que a torna na publicação mais premiada da Europa. De tal forma assim é que a Revista Egoísta encontra-se presente no Museu do Louvre como ícone do grafismo no século XXI.

CasinoLisboa ArenaLounge 001

RevistaEgoista

Jogo Online chegou como nova área de negócio

Continuando a sua política de modernização, a Estoril Sol lançou, em 2016, o Jogo Online. Trata-se de uma nova área de negócio que permite aos utilizadores jogar a partir de qualquer lugar através do seu computador, telemóvel ou tablet, realidade que permitiu a entrada numa nova era, complementada com a dos jogos tradicionais.Como referiu António Vieira Coelho, Administrador da Estoril Sol, numa recente intervenção sobre o Jogo online na conferência “Os 90 Anos das Concessões de Jogo nos Casinos Portugueses”, “o primeiro objectivo” quando, há 4 anos, este responsável propôs o envolvimento da Estoril Sol no Jogo Online, “foi o de potenciar a criação de novos clientes para os Casinos do Grupo, no caso o Estoril, Lisboa, e também o da Póvoa”.

“A Estoril Sol foi e é pioneira na Europa deste tipo de Casinos: espaços onde o Jogo se assume como uma actividade de divertimento, ao lado da restauração, dos espectáculos musicais, de variedades, do teatro, das discotecas, da arte, enfim de toda uma panóplia de actividades de qualidade de carácter lúdico, e onde a cultura pontua com as atribuições anuais de vários prémios literários, de prémios de pintura, e de publicações editoriais de reconhecido mérito internacional”, explicou Vieira Coelho.

“Paralelamente — acrescentou —, a Estoril Sol reforça toda esta intervenção social, com apoio efectivo a dezenas de eventos anuais de solidariedade, através do mais variado tipo de organizações dedicadas para este fim. E raramente publicitamos estes apoios sociais. É esta a nossa maneira de estar. Mas, sendo a actividade de jogo menos bem vista, mas estando regulamentada, e sendo praticada por empresas com elevado sentido ético e de responsabilidade social, como o temos vindo a demonstrar, desde há pelo menos 60 anos, esta questão não se põe, e deve ser vista como uma boa prática, que aufere para o Estado em impostos, quantias que financiam cerca de 70% do Turismo de Portugal, e além disso se evidencia criando espaços turísticos incontornáveis de reconhecido valor nacional e até internacional, como é o caso do Casino Estoril e Casino Lisboa”.

Vieira Coelho manifestou ainda a esperança de que, “ao aproximar-se já em 2020 um obrigatório e quase certo Concurso Público internacional para as Concessões de Jogo do Estoril, e por extensão ao de Lisboa”, o Estado Português “possa ter esta irrepreensível actuação da Estoril Sol em boa conta, e não a vá pôr atrás de meros interesses económicos só porque um qualquer grupo económico mais ou menos obscuro vindo não se sabe de que parte do Mundo, possa dar mais dinheiro para ficar com a Concessão”.

Casino AssisFerreira VieiraCoelho

Estoril, Lisboa e Póvoa... ícones na actividade turística

Certo é que, após seis décadas de actividade, a Estoril Sol apresenta um notável percurso ao serviço do turismo e da cultura, tendo crescido de forma muito expressiva nos últimos trinta anos, transformando-se na maior empresa no seu segmento da actividade turística em Portugal.

A Estoril Sol é hoje uma das maiores contribuintes líquidas a nível nacional e, por certo, a maior em termos de apoio financeiro aos Concelhos onde está implantada. Sendo concessionária dos três mais emblemáticos casinos do País, e designadamente daquele que é, na actualidade, o maior casino da Europa — Casino Estoril —, a Estoril Sol assume-se como o grupo responsável por cerca de dois terços da globalidade das receitas geradas no universo de todos os casinos em operação em território nacional.

Pin It