Encontro de Gerações no Teatro Tivoli a 1 de Abril

Encontro de Gerações no Teatro Tivoli a 1 de Abril

No dia 1 de Abril, a música de Angola será uma incontornável verdade no palco do Teatro Tivoli BBVA nas vozes de Bonga e Paulo Flores

PauloFloresDesde sempre, os diálogos entre gerações de artistas fazem avançar a música: os mais velhos influenciam os que se lhes seguem; os mais jovens inspiram com as suas ideias e energia os que já têm carreiras mais longas . Esta é uma realidade incontornável em qualquer lugar, e nomeadamente entre os artistas que fazem a história de Angola.

PUB

Quando se fala em história, esta também se escreve com a música e através da música e este “Encontro de Gerações” resulta desta vontade de recordar a história da música angolana. Assim, 45 anos depois da estreia de Bonga na Holanda, este espectáculo pretende estender para o futuro esse inestimável legado da música de Angola. Numa produção executiva de Ricardo Santos, e na data em que se comemoram os 21 Anos da RDP África, a Frequenta Aplauso irá assim apresentar Encontro de Gerações, Bonga e Paulo Flores ao Vivo no Tivoli BBVA, em Lisboa.

Olhando para trás e para o que está na base deste evento, viajamos até aos anos 70 do século passado, quando Bonga gravava o clássico Angola 72 na Holanda. Nesse mesmo ano, em Luanda, nascia Paulo Flores.

Juntamente com os álbuns Raízes e Angola 74, essa estreia de Bonga completa um tríptico que, reconhece Paulo Flores, é um dos grandes tesouros da música de Angola e uma fonte inesgotável de inspiração.

Em 1980 tinha Paulo apenas oito anos quando, na velha guarda, junto com o seu pai, viu e conheceu Bonga pessoalmente, lado a lado com muitos músicos que participaram no projeto Kalunga, como os brasileiros Chico Buarque, Clara Nunes, Djavan, Alcione ou Martinho da Vila, entre outros.

"Nessa altura", recorda Paulo Flores, "Bonga já era um cantor importante da nova Angola e eu ainda cantava no bairro dos coqueiros no prédio da cidade limpa por cima dos discos que o meu pai, Cabé, afamado discotequeiro tinha em casa". Foi também a amizade entre Bonga e Cabé Flores que levou o veterano cantor a apadrinhar a primeira obra discográfica de Paulo. E isso foi o primeiro passo para para a natural proximidade que se foi criando entre os dois durante os anos. Uma proximidade traduzida em amizade e respeito mútuo, em troca de inspirações e ideias.

Ciente dessa história comum, desses laços fundos que vão até para lá da música, Ricardo Santos, grande amigo e admirador do trabalho de ambos, congemina agora o Encontro de Gerações com estes dois grandes artistas A ideia é fazer uma sentida e merecida homenagem à música de Angola, à música de expressão portuguesa que se alarga por esse oceano fora e toca em Cabo-Verde e no Brasil e se espraia em Portugal criando uma identidade que é singular e única no mundo.

Numa altura em que os ritmos de Angola estão bem presentes no dia-a-dia através da rádio e da televisão, Bonda e Paulo Flores avançam assim para um Encontro de Gerações a não perder no Tivoli BBVA.

Share

Copyright © 2012 LusoSaber - Todos os direitos reservados.